O vice-presidente do Banco Central Europeu afirmou esta quinta-feira que o Banco Popular tinha um problema de liquidez e que a sua competência legal se limitou a determinar que a entidade estava em graves dificuldades ou viria a estar.

Vitor Constâncio explicou que depois desta determinação do BCE foi o Conselho Único de Resolução que teve as competências legais para estabelecer qual era o procedimento de resolução adequado.

Legalmente a nossa competência era só determinar que o banco (Popular) estava em graves dificuldades ou que era provável que viesse a estar, e temos que ser sérios neste aspeto", disse Constâncio em conferência de imprensa, após a reunião do BCE em na capital da Estónia, Talin, quando questionado sobre o motivo que levou à escolha da oferta do Santander para comprar o banco espanhol.

A compra da totalidade do Banco Popular pelo Banco Santander, anunciada na quarta-feira, protege todos os depositantes, mas os atuais acionistas e os detentores de dívida vão perder o seu investimento após a operação, segundo a agência noticiosa espanhola Efe.

Esta foi a primeira resolução (intervenção e liquidação) de uma entidade financeira na Europa em que se evitou a utilização de dinheiro público.