A General Motors (GM) vai pagar pelo menos um milhão de dólares por cada vítima mortal de acidentes associados a veículos com um defeito na ignição, problema que obrigou à recolha para revisão de 2,6 milhões de viaturas.

Segundo as modalidades do fundo de indemnização anunciadas hoje pelo advogado Kenneth Feinberg, o grupo automóvel vai ainda propor 300 mil dólares (219 mil euros) a cada cônjuge sobrevivente e 300 mil dólares a dependentes de vítimas.

O plano apresentado prevê também indemnizações para pessoas que tenham sofrido lesões físicas e o montante vai de 20 mil dólares (14,6 mil euros) até 500 mil dólares (365 mil euros), consoante a gravidade dos ferimentos.

Feinberg, conhecido por ter administrado as indemnizações da petrolífera BP durante a maré negra no golfo do México em 2010, indicou que não haverá limites para as compensações a determinadas categorias de vítimas.

As vítimas e familiares de vítimas que já tenham chegado a acordo com a GM sem saberem que o veículo estava equipado com uma peça defeituosa «podem receber compensações suplementares», de acordo com o documento divulgado.

Os pedidos serão examinados a partir de 1 de agosto e o grupo terá entre 90 e 180 dias para pagar aos queixosos.

A GM começou em fevereiro a chamar para revisão nas oficinas 2,6 milhões de veículos com um problema no sistema de ignição que impedia a ativação dos airbags de vários modelos produzidos entre 2003 e 2011.

A recolha só ocorreu 10 anos após o defeito ter sido detetado. O problema esteve associado a 54 acidentes e a pelo menos 13 mortes, segundo o construtor automóvel.