O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social já confirmou a alteração do conselho diretivo do Instituto da Segurança Social com a necessidade de uma “nova abordagem e dinâmica no desempenho das suas atribuições e competências”.

A que acresce “a adoção de novas práticas na gestão dos recursos ao seu dispor, quer humanos, quer materiais, e do desejável aumento da capacidade de resposta direcionada aos novos e exigentes desafios que se colocam ao país em geral, e à área da segurança social, em particular”, refere o comunicado do ministério tutelado por Vieira da Silva.

Para o executivo trata-se de uma “mudança de estratégia” que apenas será possível de concretizar "imprimindo uma nova orientação à gestão do Instituto da Segurança Social, a qual passa, incontornavelmente, pela alteração da composição do conselho diretivo, de forma a conferir uma nova dinâmica à prossecução das prioridades e objetivos ora delineados para esta área de atuação”.

Os atuais membros do conselho diretivo do instituto encontravam-se nomeados, desde julho de 2015, por despachos do anterior Governo, de Passos Coelho. O comunicado refere ainda que os elementos em causa “foram hoje ouvidos, em sede de prévia audiência, sobre os fundamentos da projetada dissolução do conselho diretivo, a produzir efeitos ao próximo dia 29 de maio”.

A partir dessa data, “serão nomeados dirigentes em regime de substituição, como previsto na legislação em vigor, seguindo-se o procedimento concursal na CRESAP (comissão de recrutamento e seleção para a administração pública).”, conclui o comunicado.