O presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), António Saraiva, considera compreensíveis as razões do governo para aumentar a idade de reforma para os 66 anos já em 2014.

VÍDEO: «Vamos ter reformas quase existencialistas», diz CGTP

Os parceiros sociais estiveram reunidos durante toda a manhã em sede de Concertação Social, num encontro em que participaram a ministra Maria Luís Albuquerque e o ministro

Pedro Mota Soares, para discutir o anteprojeto do decreto-lei que altera o fator de sustentabilidade, com o objetivo de aumentar a idade da reforma para os 66 anos em 2014.

Sindicatos rejeitam aumento da idade da reforma

O documento enviado na quarta-feira à noite aos parceiros sociais é o segundo passo legislativo do Governo em relação à alteração da idade da reforma a vigorar em 2014. O primeiro, que também já havia sido entregue aos parceiros sociais, começou a ser discutido na sexta-feira no parlamento através de uma proposta de lei que altera a Lei de Bases da Segurança Social.

Também à saída da reunião, o líder da CGTP, Arménio Carlos, disse continuar insatisfeito com as propostas do governo. Para o sindicalista, o país está a andar para trás relativamente aos salários e reformas.