O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, espera que a partir de 2014 sejam transferidas para Portugal ajudas europeias que permitam o arranque das obras de ligação do Porto de Sines à rede ferroviária europeia.

Sem apontar uma data fixa para a conclusão dessas obras, o chefe do Executivo manifestou «confiança em como haverá uma grande cooperação com o Governo espanhol» para garantir a ligação ao centro da Europa a partir de Sines de forma a aproveitar o tráfego de grandes navios porta-contentores que resultará do alargamento do Canal do Panamá, citou a Lusa.

Pedro Passos Coelho visitou esta sexta-feira, juntamente com o Presidente da República, Cavaco Silva, e o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, a eclusa de Miraflores, do lado do Pacífico do Canal do Panamá, perto da Cidade do Panamá, à margem da XXIII Cimeira Ibero-Americana.

No final desta visita, questionado se o arranque da ligação ferroviária ao porto de águas profundas de Sines não poderá acontecer demasiado tarde, o primeiro-ministro referiu que essa ligação é candidatável ao novo ciclo de fundos europeus 2014-2020.

«Ora, nós podemos, logo a partir de 2014, ter, por ajudas que são transferidas à cabeça, garantia de que as obras poderão arrancar, caso exista uma boa coordenação com o Governo para que essas obras tenham continuidade do lado espanhol também», acrescentou.

Quanto à conclusão dessas obras, afirmou: «Não tenho nesta altura ainda uma data fixa para a poder anunciar. O que posso dizer é que estamos a fazer tudo para que não haja um grande desfasamento entre a oportunidade que se abre aqui [com o alargamento do Canal do Panamá] até meio, fim de 2015, e as obras do lado de Sines, que permitirão levar a ligação de Sines até à fronteira espanhola».

Segundo o primeiro-ministro, «depois da fronteira espanhola os trabalhos estão já bastante avançados e, portanto, será mais simples concluir a ligação a Madrid».

Para lá de Madrid, «é preciso coordenar com o Governo espanhol a ligação mediterrânica, que está ainda também a ser equacionada do lado espanhol», prosseguiu, acentuando que o Governo português tem procurado uma posição concertada com o executivo de Espanha.

«Eu tenho confiança em como haverá uma grande cooperação com o Governo espanhol justamente para garantir que as ligações a todo o interland ibérico a partir de Sines possam estar concluídas tão rapidamente quanto possível, de forma a aproveitar esta grande possibilidade que se abre a partir de 2015 com as obras de ampliação do Canal do Panamá», declarou.

Passos Coelho assinalou que «essa ligação de Sines até Madrid» está «prevista na carta europeia das redes ferroviárias» e poderá ser candidatada «já no próximo Quadro Estratégico de Referência Nacional (QREN)».

«O que significa, portanto, que, quer através do próprio programa português, quer através da chamada european connecting facilities, que permite a candidatura de projetos de redes transeuropeias ao financiamento comunitário, nós teremos condições, juntamente com a Espanha, de poder concretizar esta ligação dentro de um tempo que seja favorável às obras de conclusão aqui da ampliação do Canal do Panamá», considerou.