Maria Luís não descarta que Portugal também prescinda de programa cautelar