Oliveira Costa avançou com um pedido de prescrição no processo de contraordenação do Banco de Portugal, avança o semanário «Expresso». O processo envolve a ocultação da relação entre BPN e o Banco Insular.

Além de oliveira e costa outros três arguidos também terão pedido a prescrição. O Banco de Portugal acusou os arguidos de prestação de informação falsa e falsificação da contabilidade entre 2002 e 2007. O supervisor bancário pediu perto de dez milhões de euros em coimas.

O julgamento conta com 17 arguidos e teve inicio em 2012.