O volume de negócios no comércio a retalho continuou a cair em junho, mas abrandou a queda. O recuo registado nesse mês, em termos homólogos, foi de 2,6%, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Há pelo menos 12 meses, contudo, que o volume de negócios realizado no comércio a retalho mostra quebras consecutivas, refere o INE.

Segundo o instituto, «esta variação menos negativa, em junho, foi sobretudo determinada pelo índice do agrupamento de Produtos Alimentares».

Já o índice relacionado com os Produtos Não Alimentares teve uma variação homóloga de menos 4,2% no mês de junho, quando em maio caiu 4,7%.

Por sua vez, o índice de emprego no comércio a retalho apresentou uma redução homóloga de 4,8% em junho, contra uma variação negativa de 4,9% no mês de maio passado.

O INE avançou também que os índices do número de horas trabalhadas, ajustadas dos efeitos de calendários, e o das remunerações, apresentaram em junho uma variação homóloga de menos 4,9% e de menos 5,8%, respetivamente.

Em maio, os índices do número de horas trabalhadas e das remunerações caíram 4,5% e 8,2%, pela mesma ordem.