A produção da Galp Energia abrandou no segundo trimestre deste ano, face a igual período de 2012, enquanto as vendas diretas na área da refinação e distribuição avançaram 2,9%, de acordo com os dados preliminares divulgados esta segunda-feira pela empresa.

Na atividade de exploração e produção, a produção média working interest (produção bruta) foi de 23,4 mil barris de petróleo diários, menos 9,2% face ao período homólogo e menos 0,5% relativamente ao primeiro trimestre de 2013, devido à redução natural registada nos campos em Angola, escreve a Lusa.

A produção média net entitlement (líquida de custos de exploração) subiu, por seu turno, 3,4% entre abril e junho para 19,4 mil barris por dia. Face ao primeiro trimestre, este indicador caiu 3,1%.

Ao nível da refinação e distribuição, o crude processado foi de 22,338 milhões de barris de petróleo, representando um aumento de 4,1% face a igual período de 2012.

As vendas a clientes diretos (inclui vendas em África) avançaram 4,1% no segundo trimestre face ao trimestre homólogo e 10,3% face ao primeiro trimestre, refletindo a evolução no segmento industrial.

As exportações, por sua vez, avançaram 36,9% em termos homólogos e 10,4% em termos trimestrais, com o aumento da produção de petróleo a suportar este aumento.

Na área de gás e eletricidade, as vendas totais, por seu turno, caíram 2,9% em termos homólogos, penalizadas pelo segmento trading, que recuou 10,7%, enquanto as vendas a clientes diretos subiram no período 2,8%.

As vendas de eletricidade à rede tiveram um aumento homólogo de 41,7%, com a entrada em operação da Porto Cogeração a contribuir de forma decisiva para este desempenho.

A margem de refinação benchmark, cuja metodologia de cálculo foi sujeita a uma revisão, foi de 2,2 dólares por barril, uma descida de 39,2% face ao primeiro trimestre e uma subida de 11,1% face igual período de 2012.

A Galp Energia deverá publicar os resultados definitivos relativos à atividade do segundo trimestre de 2013 no dia 29 de julho.