O grupo chinês Fosun, que estava na corrida à compra do Novo Banco, já reagiu à interrupção do processo de venda da entidade decidida pelo Banco de Portugal, anunciando que vai procurar novas oportunidades de investimento em Portugal.

"Portugal continua a apresentar perspetivas de crescimento e de investimento muito interessantes e, como tal, constitui um elemento chave da nossa estratégia de crescimento e expansão. A Fosun continua, assim, empenhada, não só em desenvolver e apoiar os investimentos já existentes, como também na procura de novas oportunidades de investimento em Portugal", revelou em comunicado a Fosun.


Isto, pouco tempo depois de o Banco de Portugal ter anunciado oficialmente que interrompeu o procedimento de venda do Novo Banco e que vai agora começar a preparar uma nova operação de alienação do banco.

"Chegou ao seu termo o procedimento em curso de venda do Novo Banco, sem que tenha sido possível obter-se um acordo considerado satisfatório para as partes envolvidas. A Fosun compreende e aceita, sem reservas, a decisão do Banco de Portugal, norteada pela necessidade de redução da incerteza quanto às necessidades de capital do Banco, e deseja salientar o elevado profissionalismo, transparência e rigor demonstrados pelas equipas do Banco de Portugal e do Novo Banco", realçou a Fosun.

O Banco de Portugal anunciou ainda que quer retomar o processo de venda depois de serem removidos os principais fatores de incerteza relativos ao Novo Banco, uma procedimento que, segundo fontes próximas do processo, deverá ser lançado no final de 2015 ou início de 2016.