A Comissão de Mercado e Valores Mobiliários decidiu estender a proibição das vendas a descoberto das ações da PT SGPS por mais dois dias.

A decisão, comunicada no site do regulador, vigora a partir das 00h00m do dia 22 até às 23h59m do dia 23.

A CMVM tinha proibido, nesta terça-feira, a venda a descoberto das ações da cotada, mas no encerramento da Bolsa de Lisboa as ações da PT fecharam a cair 8,2%, fixando o preço em um euro. O regulador decidiu, por isso, estender a suspensão.

Esta proibição é um mecanismo utilizado pelo regulador quando há uma diminuição significativa do preço das ações em relação ao preço de fecho do dia anterior àquele em que a restrição foi implementada.

Na segunda-feira as ações da cotada chegaram a tombar 27,5%.

Esta queda acentuada acontece depois de, na passada sexta-feira, a Morgan Stanley, assessor da Altice na eventual compra da PT Portugal, ter emitido uma nota de análise (research) onde anunciava que reiniciou a cobertura da PT, atribuindo-lhe um preço-alvo de 0,79 euros, abaixo da cotação atual, na altura.

O facto de os acionistas acreditarem cada vez menos na recuperação dos 900 milhões de euros do empréstimo da Rioforte é outra das pressões sobre a cotada.

Venda a descoberto é uma prática financeira especulativa, cujo objetivo é tentar ganhar dinheiro em épocas de baixa, com a desvalorização e quedas de preço das ações, ou outros ativos.