O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, afirmou esta segunda-feira que há “margem para negociação” entre Atenas e os credores e revelou que Bruxelas apresenta ainda hoje "novas propostas” para tentar evitar o incumprimento grego.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, “vai indicar o caminho a seguir”, afirmou Moscovici à rádio francesa RTL, segundo a Lusa, defendendo que ainda subsiste “margem para negociação” entre Atenas e os seus credores internacionais.

Atenas está "a poucos centímetros" de distância de um acordo.

"Temos de continuar a dialogar", frisou, acrescentando que "a porta está sempre aberta às negociações".


Entretanto, o ministro das Finanças francês, Michel Sapin, deu conta de que as negociações "podem ser retomadas a qualquer momento".

A Grécia acordou hoje com os bancos fechados, uma situação que se manterá até dia 06 de julho, dia seguinte ao referendo sobre o programa de resgate. Para minimizar o problema, o governo do Syriza tornou os transportes públicos gratuitos.

O decreto sobre o controlo de capitais, publicado hoje em boletim oficial, que lista as medidas impostas às instituições financeiras que duram até 06 de julho, foi assinado pelo Presidente grego, Prokopis Pavlopoulos, e pelo primeiro-ministro, Alexis Tsipras.

O documento refere “a extremamente urgente necessidade de proteger o sistema financeiro e a economia grega devido à falta de liquidez provocada pela decisão tomada pelo Eurogrupo”.

As medidas radicais, que incluem o limite ao levantamento de dinheiro a 60 euros diários, foram impostas para proteger o sistema bancário da ameaça de um pânico generalizado face à perspetiva de incumprimento e ao impacto do anúncio do referendo sobre as negociações com os credores.

A Grécia e os parceiros da zona euro terminaram as negociações no sábado, depois do anúncio por Atenas de um referendo a 05 de julho às propostas dos europeus sobre o programa de resgate, que termina na terça-feira.

Tsipras revelou também que os bancos terão controlo de capitais, porque o Banco da Grécia foi "obrigado" a fazê-lo. Os depósitos estão salvaguardados. Os gregos devem permanecer calmos”, disse aos jornalistas. 

Alexis Tsipras sublinha que nos próximos dias é necessário paciência e tranquilidade e que os depósitos estão completamente seguros. 


Medidas de controlo de capitais justificam-se para estabilizar a banca


A Comissão Europeia considerou esta segunda-feira que as medidas de controlo de capitais decretadas pelo Governo grego se justificam com a defesa da estabilidade do sistema financeiro e bancário.

"Manter a estabilidade financeira é o desafio mais imediato e importante para o país", segundou um comunicado hoje divulgado por Bruxelas.


O comissário europeu para os Serviços Financeiros, Jonathan Hill, lembrou ainda que "a liberdade de circulação de capitais deverá ser retomada assim que possível, no interesse da economia grega, da zona euro e do mercado único da União Europeia como um todo", adiantando que Bruxelas irá monotorizar o evoluir da situação e a aplicação das medidas restritivas anunciadas no domingo pelo primeiro-ministro, Alexis Tsipras.

Bruxelas diz-se ainda "pronta para ajudar as ajudar as autoridades com os aspetos técnicos desta medida".