A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) adverte que a dívida pública na ótica de Maastricht ultrapassou em setembro o esperado para o total do ano, em quase seis mil milhões de euros.

Dívida será insustentável mantendo-se média de défices desde o euro

«O stock da dívida pública na ótica de Maastricht (a que conta pra Bruxelas) aumentou em setembro, encontrando-se acima do previsto para o final do ano», lê-se na nota mensal da dívida pública da UTAO, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

De acordo com o grupo independente de apoio ao parlamento, que cita dados do Banco de Portugal, no final de setembro a dívida pública situou-se em 229,15 mil milhões de euros.

Este valor representa um aumento de 9,9 mil milhões de euros face ao final de 2013 e «encontra-se 5,9 mil milhões acima do previsto para o final do ano, isto é, do montante total de 223,2 mil milhões de euros».

Por outro lado, os técnicos salientam o aumento dos depósitos da administração central, que atingiram 21,7 mil milhões de euros no final do terceiro trimestre. Este valor representa um aumento de 2,8 mil milhões face a agosto e de 3,8 mil milhões face ao final do ano anterior.

Além disso, a UTAO afirma que está previsto que os depósitos da administração central totalizem aproximadamente 13 mil milhões de euros no final de 2014.

Assim, devido a esse aumento dos depósitos da administração central, a UTAO aponta que, face ao estimado para o final de 2014, a dívida excluindo depósitos «fixou-se em 207,4 mil milhões de euros, registando um acréscimo inferior ao verificado na dívida na ótica de Maastricht».