Os países da União Europeia (UE) com menos feriados são o Reino Unido e a Irlanda, com seis cada um, seguidos de Portugal e Alemanha, com nove.

Em 2011, os portugueses assinalavam no calendário 13 feriados, seis civis e sete religiosos.

Todos os partidos, exceto o PAN, apresentam na sexta-feira projetos parlamentares sobre os quatro feriados suprimidos em 2013, com a esquerda a defender a reposição dos mesmos e PSD/CDS-PP a proporem uma "avaliação" da matéria.

De acordo com as páginas digitais oficiais governamentais e do turismo dos Estados-membros da UE, Chipre, Eslováquia e Suécia lideram com 15 feriados.

Seguem-se a Bulgária, Letónia e Malta com 14. Áustria, Croácia - a última adesão aos 28 - e Grécia têm 13 dias feriados nacionais.

Bélgica, República Checa, Estónia, Eslovénia, Finlândia, Itália, Lituânia e Polónia registam 12, seguidos pela Dinamarca, Hungria, Holanda e Espanha com 11.

França, Luxemburgo e Roménia registaram no corrente ano dez dias feriados.

Os projetos que chegam ao parlamento na sexta-feira estiveram inicialmente agendados para discussão em novembro do ano passado, mas os partidos acordaram então em avançar com uma consulta pública do tema e só depois retomar a discussão da matéria.

Em 2012, com efeitos a partir de 2013, o Governo liderado por Pedro Passos Coelho suprimiu quatro feriados: dois religiosos, o de Corpo de Deus em junho (feriado móvel), e o dia 01 de novembro, dia de Todos os Santos, e dois civis, 05 de Outubro, Implantação da República, e o 1.º de Dezembro, Restauração da Independência.