Os dirigentes europeus reunidos em Bruxelas decidiram, esta quarta-feira, reforçar as sanções contra a Rússia devido à crise na Ucrânia, mas sem adotar medidas económicas de envergadura, referiu fonte diplomática.

Reunidos na cimeira do Conselho Europeu em Bruxelas, os dirigentes europeus decidiram designadamente congelar os programas promovidos na Rússia pelo Banco Europeu de Investimentos (BEI) e pelo Banco europeu para a reconstrução e desenvolvimento (BERD), adiantou a mesma fonte, citada pela agência noticiosa AFP.

Em paralelo, os Estados Unidos também anunciaram um endurecimento das sanções contra Moscovo e que visam em particular a Gazprom, gigante russo do gás, e o seu banco, o Gazprombank.

Nas medidas mais punitivas até agora anunciadas por Washington, o ministério das Finanças confirmou ainda a aplicação de sanções ao gigante do petróleo Rosneft, e às autoridades separatistas de Donetsk.