Os documentos que serviram de base aos relatórios de auditoria aos swaps foram destruídos depois de janeiro de 2012, numa altura em que as Finanças já estavam a par de que existia um problema com os contratos, informa o jornal Expresso na edição deste sábado.

Os papéis de trabalho serviram de base a cinco dos oito relatórios de auditoria sobre os swaps realizados no final de 2008. Segundo o jornal, foram destruídos pela Inspeção-Geral de Finanças (IGF) depois de janeiro 2012.

O ministério das Finanças considera que a destruição respeitou o prazo legal, mas diz que vai apurar «com precisão» as datas da eliminação dos papéis, quem a autorizou e porque aconteceu numa altura em que o problema dos swaps estava já identificado.