A taxa de desemprego em Portugal caiu para os 16,5% em julho, mantendo a terceira maior taxa dos países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para os quais existem dados disponíveis.

No conjunto dos países da OCDE, a taxa de desemprego caiu para 7,9% e manteve-se estável na União Europeia, onde permaneceu nos 11%, refere a Lusa.

Na zona euro, a taxa de desemprego também estabilizou nos 12,1%, pelo quinto mês consecutivo.

A OCDE frisa que desde o início da crise financeira que «as taxas de desemprego do países da organização evoluíram de maneiras significativamente diferentes».

O país com a taxa mais elevada foi Espanha, com 26,3%, mas tendo em conta o último mês da Grécia com dados disponíveis, isto é, maio, a taxa neste país situou-se nos 27,6%. Portugal surge logo depois com 16,5%, taxa que já tinha sido divulgada pelo Eurostat a 30 de agosto.

Na Alemanha, no Japão, no México, na Coreia do Sul e na Noruega o desemprego permaneceu abaixo dos 5,5%.

Segundo a OCDE, no final de julho havia 47,9 milhões de desempregados no conjunto dos países que compõem a organização, menos 0,4 milhões do que em junho, mas mesmo assim 13,2 milhões mais do que antes da crise.