A JP Inspiring Knowledge (JP-IK) vendeu 120 mil computadores Magalhães, desde 2010, ao México. Esse mercado representou um volume de negócios de 30 milhões de dólares (cerca de 23 milhões de euros) para a empresa de Matosinhos.

A JP-IK integra a missão empresarial portuguesa que vai participar no Congresso Mundial de Tecnologias de Informação (WCIT). O congresso irá decorrer entre 29 de setembro e 1 de outubro, na cidade mexicana de Guadalajara.

A América Latina é, segundo o CEO João Paulo Sá Couto, «o principal mercado» da empresa e o México representa uma das suas «principais apostas estratégicas». Isso justifica-se pela existência de cerca de 25 milhões de alunos no ensino primário e secundário, 1,2 milhões de professores e 125 mil escolas.

Deve-se também ao facto de o presidente mexicano Peña Nieto estar a apostar nas tecnologias educativas e o seu Governo estar a promover o plano de ação «Estratégia Digital Nacional».

Sá Couto disse à agência Lusa que a JP-IK já desenvolveu projetos-piloto em três estados mexicanos, nomeadamente Oaxaca, Nayarit e Chihuahua, e um outro para a Secretaria de Educação Pública.

A empresa portuguesa foi um dos vencedores do projeto-piloto do programa governamental «micompu.mx». Até agora, do total de sete milhões de equipamentos Magalhães entregues pela empresa em mais de 70 países, 120 mil destinaram-se ao México.

A viagem até Guadalajara é organizada pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM) e realiza-se no âmbito do «Portugal Connect», um projeto que visa promover a tecnologia nacional no México.