As exportações de Portugal para os Estados Unidos subiram 6,6% entre janeiro e setembro deste ano, face a igual período de 2012, para 2.312 milhões de euros, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em igual período, as importações recuaram 4,4% para 1.136 milhões de euros, o que resulta num saldo positivo para Portugal de 995 milhões de euros.

O ministro da Economia, António Pires de Lima, inicia na segunda-feira uma nova missão de captação de investimento estrangeiro para Portugal com uma visita de cinco dias aos Estados Unidos, que termina sexta-feira.

Esta é o quarto 'roadshow', depois do Reino Unido, Alemanha e Moscovo.

As exportações de bens portugueses para os Estados Unidos ascenderam a 1.442 milhões de euros no final de setembro, um aumento de 1% face a igual período de 2012, enquanto as compras de produtos norte-americanos recuaram 12,4% para 592 milhões de euros, o que representa um saldo da balança comercial favorável em 844 milhões de euros.

No final de setembro, os EUA eram o 6.º cliente de Portugal e o 13.º como fornecedor.

Em 2008 havia 2.375 empresas portuguesas a exportar para os Estados Unidos, número que se reduziu nos anos seguintes (em 2010 eram 2.078), mas no ano passado houve um aumento, ao atingirem as 2.292.

Entre os principais produtos vendidos por Portugal estão os combustíveis minerais, que representam um terço do total das exportações até final de setembro, seguidos das máquinas e aparelhos (9,1%), madeira e cortiça (8%), matérias têxteis (7,8%) e pastas celulósicas e papel (6%).

As exportações de combustíveis minerais recuaram 14,3% nos primeiros nove meses do ano, para 479 milhões de euros, tal como as vendas de máquinas e aparelhos, que recuaram 12,1% para 130 milhões de euros.

Já as vendas de madeira e cortiça tiveram uma quebra menor (-2,8% para 115 milhões de euros), enquanto as matérias têxteis cresceram 11,9% (para 113 milhões de euros) e as pastas e papel subiram 3,9% (86 milhões de euros).

Em termos de compras, máquinas e aparelhos (com um peso de 26,2% do total das importações), combustíveis minerais (16%), produtos agrícolas (15,2%), veículos e outro material de transporte (9,2%) e instrumentos de ótica e precisão (4,9%) integram a lista do que mais se importou.

As importações de máquinas e aparelhos recuaram 11,1% até setembro (para 156 milhões de euros), as de combustíveis baixaram 27,7% (95 milhões de euros), enquanto a área agrícola registou um aumento de 10,4% (91 milhões de euros).

As compras de veículos e outros materiais de transporte reduziram-se em 24,2% (para 54 milhões de euros) e as de instrumentos óticos subiram 13,7% (29 milhões de euros).

Em termos de serviços, as exportações subiram 17,5% até setembro para 870 milhões de euros, as importações avançaram 6,5% para 538 milhões de euros, o que representa também um saldo positivo da balança comercial para Portugal em 331 milhões de euros.