A CGTP lamentou hoje a morte de Eusébio da Silva Ferreira, classificando-o como «um dos melhores futebolistas de todos os tempos» e cujo percurso, profissionalismo, conquistas e glória o elevaram a símbolo de Portugal.

«Figura ímpar e incontornável do desporto e da sociedade portuguesa, um dos melhores futebolistas de todos os tempos, que fez brilhar o nome de Portugal quando este estava fechado sobre si próprio e mergulhado numa obscura e dura ditadura», refere a central sindical, numa nota onde envia ¿as sentidas condolências¿ à família do ex-jogador e ao Sport Lisboa e Benfica.

A CGTP sublinha ainda que, além-fronteiras, Eusébio «foi e é, reconhecidamente, um embaixador do nosso país». «A sua morte constituiu uma perda assinalável intergeracional para o desporto e a sociedade portuguesa», afirma.

A UGT manifestou também o seu pesar pela morte de Eusébio da Silva Ferreira, classificando-o como um «embaixador do nome de Portugal» e lembrando a «paixão e o amor» que transportou «por todos os caminhos que percorreu».

«Nome maior do futebol português e mundial, foi ícone para milhões de amantes do desporto à escala global e de gerações de portugueses espalhados pelos quatro cantos do mundo», destaca a central sindical numa nota onde classifica o ex-jogador de futebol como um «símbolo maior de Portugal e da Comunidade Sindical dos Países de Língua Portuguesa», pela forma como soube honrar e elevar bem alto o nome de Portugal e da sua bandeira.

A UGT lembra assim Eusébio como «o embaixador do nome de Portugal, que transportou com paixão e amor por todos os caminhos que percorreu, viu a sua imagem e o seu nome transformados em símbolo do nosso povo, da nossa língua e da nossa cultura e reforçou os elos de ligação entre a comunidade dos países de língua portuguesa, especialmente com Moçambique».

«Mas Eusébio foi também o orgulho de milhões de trabalhadores portugueses emigrados, que procuraram trabalho noutras paragens, já que no seu país de origem esse direito lhes foi dificultado. E ao reverem-se nos seus feitos e na sua glória, nos seus triunfos e sucessos, acomodavam nos seus corações um pedaço de Portugal, mitigando a saudade e a distância dos seus lares», acrescenta a central.

Eusébio da Silva Ferreira morreu hoje às 04:30 vítima de paragem cardiorrespiratória.

O «Pantera Negra» ganhou a Bola de Ouro em 1965 e conquistou duas Botas de Ouro (1967/68 e 1972/73). No Mundial Inglaterra de 1966 foi considerado o melhor jogador da competição, na qual foi o melhor marcador, com nove golos.

Na mesma competição, Portugal terminou no terceiro lugar.

Eusébio nasceu a 25 de janeiro de 1942 em Lourenço Marques (atual Maputo), em Moçambique.

O corpo do antigo jogador de futebol Eusébio estará em câmara ardente no Estádio da Luz, porta 1 (acesso pela porta 11), a partir das 17:30 de hoje, anunciou hoje o Benfica, com a missa a realizar-se na segunda-feira às 16:00 na Igreja do Seminário no Largo da Luz, após o que o corpo segue para o cemitério do Lumiar, onde o funeral se realiza às 17:00.