As reservas nos hotéis algarvios para o período da Páscoa deste ano aumentaram 4 a 5 % face a 2013, disse à agência Lusa o presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA).

Desidério Silva explicou que as indicações que lhe têm sido transmitidas vão um pouco ao encontro da tendência de aumento da ocupação turística já registada no primeiro trimestre do ano, o que faz prever que em 2014 a região alcance «resultados muito positivos».

As previsões foram confirmadas pelo presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve, Elidérico Viegas, para quem o facto de, este ano, a Páscoa ser mais tarde permite encarar o aumento da procura como o início da época turística.

«Digamos que este ano não vamos assistir a uma quebra de ocupação a seguir à Páscoa, antes pelo contrário, vamos assistir a um crescimento continuado da procura ao longo de toda a época turística», explicou Elidérico Viegas.

Este representante dos hoteleiros algarvios admitiu que a Páscoa tardia, em abril, «faz com que os preços sejam já de estação média, no início da chamada época turística, o que trás também vantagens em matéria de rentabilidade para os hotéis».

Com expectativas de um ano turístico com bons resultados para os agentes do setor, Desidério Silva sublinhou que a par do esforço promocional e de todo o setor, o otimismo também se baseia no aumento de voos oriundos diretos para Faro, nomeadamente com partidas a partir da Alemanha e França.

A promoção é uma das chaves para atrair mais turistas para o Algarve, razão pela qual a RTA tem estado a marcar presença em Sevilha, Salamanca e Madrid e vai iniciar uma nova campanha dirigida aos mercados nacional e espanhol para que escolham a região como destino para os feriados marcados até junho.

«As estatísticas são o que são», vincou o presidente da RTA, lembrando que enquanto alguns empresários relatam um aumento de atividade na ordem dos 20 por cento, outros dizem que o negócio não correspondeu às estatísticas gerais.

Satisfeito com os dados oficiais que dão conta de um aumento da procura do destino Algarve, Desidério Silva não escondeu o desejo de conseguir esbater os efeitos da sazonalidade turística.

Um crescimento da atividade turística na região ao longo de todo o ano que permitisse passar da fasquia dos quase 55% da taxa de ocupação turística anual e que superasse os 60% é uma meta que o presidente da RTA gostaria de alcançar.

Entre as razões para o crescimento na ordem dos 4% que se tem vindo a verificar de forma contínua na região desde 2013, Elidérico Viegas apontou a instabilidade social vivida em vários destinos turísticos concorrentes e o empenho dos empresários do setor na promoção e na criação de estratégicas mais agressivas, colocando à venda produtos diferentes, como estadias com uma refeição incluída.