O turista que visitou o Porto e Norte de Portugal, por via aérea, entre abril e junho fica uma média de seis dias, prefere hotéis no Grande Porto, experimenta a gastronomia e gasta uma média global de 762 euros.

Um estudo a que a Lusa teve hoje acesso sobre o “Perfil dos Turistas do Porto e Norte de Portugal – 2.º trimestre” indica que a maioria dos turistas que visitou a região é casada, vive em agregados familiares com duas a três pessoas, tem idades entre os 26 e os 50 anos, pertence às classes média e média-alta, tem rendimentos familiares mensais entre mil a três mil euros e formação ao nível do ensino secundário ou do ensino superior.

Os turistas que ficam a pernoitar no grande Porto preferem alojar-se em hotéis (40%), pensões (21,1%) e casa de familiares e amigos (28%).

O turista fica em média de seis noites na região e gasta uma média global de 762 euros, sendo que pela estadia gastou uma média de 389 euros, um valor inferior ao alcançado no trimestre homólogo, em 2014, que se situava nos 487 euros. Aquele decréscimo reflete a diminuição dos tempos de estada média na região.

Os turistas brasileiros são os que gastam mais no Porto e Norte de Portugal - com um consumo médio de 98 euros por pessoa e noite - e são também os que permanecem mais tempo na região.

Já os luxemburgueses, belgas, suíços e franceses são os gastam menos, variando entre 33 e 51 euros.

A maioria dos turistas dormiram na cidade Porto (45,2%), Gaia (19,6%) ou Maia (13,1%), principalmente os que viagem de férias ou em negócios, embora os que vêm visitar familiares e amigos pernoitaram em Matosinhos (9,8%), Valongo (6,5%) ou Gondomar (5,3%).

Depois do Grande Porto, os turistas elegem Braga como a cidade onde preferem pernoitar. Guimarães, Póvoa de Varzim, Viana do Castelo, Chaves e Espinho são as outras localidades com mais incidência de pernoita.

Experimentar a gastronomia é a principal atividade praticada por 96% dos turistas que visita a região, revela o estudo mais recente sobre o perfil do turista que veio ao Porto e Norte de Portugal.

Passeios de carro (67%), Observar paisagem (57%), gozar a animação noturna (53,1%), fazer compras de artesanato por exemplo (44,0%), visitar o Vale do Douro (34,6%) e visitar monumentos, como as Caves do Vinho do Porto (27,3%) são outras das atividades mais praticadas na região.
 

O principal atrativo que os turistas destacam na região é a “hospitalidade”, e logo depois os “voos de baixo custo” das companhias aéreas, o “alojamento”, a “gastronomia”, “os vinhos e as paisagens”.


Um dado do estudo a destacar é que a maioria dos turistas inquiridos (71%) já tinha visitado a região norte de Portugal, com exceção dos turistas em negócios (56%) que nunca tinha visitado a zona.

O principal motivo para os turistas estrangeiros visitarem o Porto e Norte de Portugal é o facto de estarem de férias e a principal razão que os traz à região é sem dúvida a “beleza natural”, seguida do “Vale do Douro” e “gastronomia”, lê-se no estudo, que refere que as outras motivações são a “visita a familiares/amigos e os negócios”, designadamente para “reuniões de trabalho” ou “vendas de serviços”.

Os principais mercados emissores de turistas estrangeiros ao Porto e Norte de Portugal continuam a ser a França, Espanha, Suíça, Alemanha e Reino Unido.

As companhias aéreas mais utilizadas para a viagem destes turistas são TAP (31,6%) e a Ryanair (29,2%), seguida pela Easyjet (13,3%) e depois Transavia (5,5%) e Lufthansa (5,0%).

O estudo foi realizado pelo Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT) no segundo trimestre deste ano - abril, maio e junho –, em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal e o Aeroporto Sá Carneiro.

Os inquiridos selecionados para a amostra foram 418 turistas, que se encontravam na sala de embarque do aeroporto a aguardar pelo voo.