A rede turística espanhola Paradores tem "debaixo de olho" quatro unidades hoteleiras em Portugal que podem vir a integrar o grupo, que hoje anunciou a "Casa da Ínsua", em Penalva do Castelo, como a sua primeira "franquia" internacional.

"Temos quatro locais debaixo de olho. Mas não vou dizer onde porque estamos em fase de estudo. São em várias zonas de Portugal - de Norte a Sul. Portugal está cheio de edifícios (com estas características) e possibilidades", disse à agência Lusa a presidente da Paradores de Turismo, Ángeles Alarcó Canosa.

Canosa falava à margem da apresentação do Hotel Casa da Ínsua, gerido pelo grupo Visabeira Turismo, como o primeiro estabelecimento integrado na rede Paradores fora de Espanha.

A presidente da Paradores de Turismo, uma empresa estatal espanhola que existe desde 1928, acrescentou que futuras parcerias dependem do cumprimento de vários requisitos.

"Em Portugal há magníficas casas (senhoriais históricas), palácios, fortalezas e ficaria encantada que pudessem fazer parte da nossa rede de Paradores. Têm que cumprir requisitos - como a Casa de Ínsua - para poderem integrar a nossa rede: ser património histórico ou artístico e valor acrescentado, que tenham a mesma cultura que nós, que pretendam proporcionar uma 'experiência' ao cliente, que o serviço seja bom", salientou a responsável.

Ángeles Alarcó Canosa considerou "muito importante" a abertura da rede Paradores ao mercado português "para que no final [deste processo] sejamos uma cadeia ibérica e não espanhola", adiantou.

O presidente da Visabeira Turismo, Frederico Costa, adiantou que a atual parceria com a Paradores se prolonga até 2025 (por 10 anos) e que o hotel - já com a nova marca - abre portas a 15 de outubro.

"É a primeira internacionalização, o primeiro ‘franchising' da marca Paradores, a primeira vez nos seus 85 anos de história que eles saem de Espanha. É um momento histórico para eles, mas também é um momento importante para nós", salientou Frederico Costa.

A parceria vai trazer rentabilidade adicional a um hotel que, disse Frederico Costa, estava "muito condicionado à procura nacional". Por outro lado, salientou, a parceria vai abrir a Visabeira Turismo ao mercado espanhol e trazer - por associação com a marca Paradores - turistas de outros destinos a Portugal.

"Associamo-nos a uma grande marca que nos oferece o mundo inteiro - porque aos Paradores não vão só espanhóis, vão americanos, russos, japoneses, chineses", disse o responsável do grupo português.

Presente na cerimónia estiveram também os secretários de Estado do Turismo de Portugal e Espanha, respetivamente Adolfo Mesquita Nunes e Isabel Borrego.

A responsável espanhola sublinhou que em agosto a Paradores teve uma ocupação média de 81% e que pretende consolidar este modelo de "franchising" para depois expandi-lo a outros países.

"A Paradores quer crescer sem custar ‘um tostão' ao erário público", disse a secretária de Estado espanhola.

Já Adolfo Mesquita Nunes destacou à Lusa que a parceria com a Paradores é "importante para Portugal por duas vias distintas".

"Por um lado é uma forma importante de promover Portugal em Espanha e trazer turistas espanhóis ao nosso país e, por outro lado, reforça a cooperação transfronteiriça entre os dois países, para que se conheçam melhor", sublinhou.

O secretário de Estado português referiu que a estratégia do Turismo português tem sido a de atualizar a imagem de Portugal aos olhos dos espanhóis, mostrando o "estilo de vida".

"Esta é outra forma de atingir esse objetivo".