O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, considerou hoje que a decisão de Portugal de sair do programa de assistência financeira sem recurso a apoio cautelar constitui um «sinal de confiança no futuro».

«Dia bom para um Portugal forte numa Europa forte. Decisão de saída limpa do programa é sinal de confiança no futuro», limitou-se a escrever Van Rompuy, numa mensagem divulgada, em inglês e em português, através da sua conta na rede social Twitter.

Na reunião de ministros das Finanças da zona euro que teve hoje início em Bruxelas cerca das 15:00 locais (14:00 de Lisboa), e que é a derradeira até à conclusão do programa de assistência financeira, a 17 de maio, Maria Luís Albuquerque irá transmitir formalmente ao Eurogrupo a decisão comunicada no domingo à noite ao país pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que anunciou a chamada "saída limpa" do programa.

«Depois de uma profunda ponderação de todos os prós e contras, concluímos que esta é a escolha certa na altura certa. É a escolha que defende mais eficazmente os interesses de Portugal e dos portugueses e que melhor corresponde às suas justas expectativas», acrescentou o chefe do executivo PSD/CDS-PP.

À entrada para a reunião de hoje em Bruxelas, o presidente do Eurogrupo já felicitou Portugal, considerando que o país «tomou a decisão certa ao optar» por uma saída sem programa cautelar, mas advertiu que continuam a existir obrigações e que «não se pode gastar dinheiro que não se tem».

«Acho que as circunstâncias de mercado são bastante boas e que Portugal tem feito um bom trabalho no reajustamento e na alteração da sua economia em termos orçamentais (...), as perspetivas melhoraram bastante nos últimos dois anos, percebo o otimismo [do Governo português] e apoio-o», afirmou Jeroen Dijsselbloem.