O desemprego vai continuar a subir em Portugal e até será ligeiramente pior do que o Governo estima, de acordo com um relatório divulgado esta terça-feira pela OCDE. Segundo a organização, a taxa chegará aos 18,6% da população ativa em 2014.

No relatório das «Perspetivas de Emprego 2013», a OCDE adianta que o flagelo irá continuar a aumentar, ao contrário do que o Governo prometeu. Passos Coelho disse recentemente que o desemprego deveria começar a inverter de tendência no arranque do próximo ano, mas a OCDE contraria.

Assim, a taxa de desemprego em Portugal deverá chegar aos 18,6% no conjunto 2014, de acordo com as previsões da organização, quando o Governo apontava para 18,5%.

O pior é que a taxa trimestral deverá ser mesmo de 18,5% (mas só no último trimestre do próximo ano e não no conjunto do ano). Será, a confirmar-se a previsão, a terceira pior entre os países que fazem parte do grupo dos ricos. Só Grécia (28,2%) e Espanha (27,8%) ultrapassam o nosso país.

No que respeita à destruição de emprego, as estimativas também são mais negras. A OCDE garante que este ano o emprego cai 3,9% (igual à projeção oficial), mas no ano que vem a redução será de 1,3%, ou seja, bem longe da estimativa do Governo (mais do dobro) que até indicou uma queda ligeira de 0,5%.

O relatório revela ainda que Portugal é o segundo país da organização onde os salários reais mais caíram entre 2011 e 2012.