A Grécia pode vir a precisar de um terceiro resgate, mas não aceita mais medidas de austeridade. As palavras são do ministro grego das Finanças, numa altura em que um novo pacote de ajuda já é dado como quase certo entre alguns dos principais responsáveis da zona euro.

«Se houver necessidade de mais apoio à Grécia, será na ordem dos 10 mil milhões de euros, muito abaixo dos programas anteriores», disse Yannis Stournaras, em entrevista ao jornal grego «Proto Thema». A Grécia já recebeu dois pacotes de ajuda, totalizando 240 mil milhões de euros.

O ministro diz que a concessão desta ajuda não implica o estabelecimento de novos objetivos para o programa de austeridade.

«Não estamos a falar de um novo resgate, mas sim de um pacote de apoio sem novos termos [de austeridade] até 2016. Os objectivos, as novas obrigações, foram estabelecidos e não podem ser exigidas outras medidas ou objectivos», referiu.

Vários responsáveis europeus, a começar pelo ministro alemão das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, confirmaram nos últimos dias que está a ser equacionado um novo pacote de ajuda à Grécia.

O FMI calcula que o Governo grego poderá ter um défice de financiamento de 4400 milhões em 2014 e mais 6500 milhões de euros em 2015, ou seja, depois de estar concluído o programa de ajustamento.

O ministro grego admitiu ainda que a Grécia ainda não cumpre as condições necessárias para financiar a própria dívida através do recurso aos mercados, mas Yannis Stournaras mostrou confiança de que tal possa acontecer em 2014.