O Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que, em 2015, vão ser precisos mais 2 mil milhões de euros em medidas permanentes, para Portugal conseguir cumprir o défice de 2,5%.

Riscos ao cumprimento do programa «continuam elevados»

FMI diz que meta do défice de 2013 «confortavelmente alcançada»

FMI acredita que a taxa de desemprego começa a descer este ano

No relatório da décima avaliação ao programa de ajustamento português, divulgado esta quarta-feira, a instituição diz que, entre estas medidas, está a revisão da tabela salarial da Função Pública e a criação de uma tabela única de suplementos.

No mesmo relatório, a FMI diz ainda que vão ser precisos mais 800 milhões de euros de poupanças nos próximos anos para Portugal cumprir o tratado orçamental.

O fundo reconhece que as perspetivas para Portugal melhoraram, mas diz que ainda existem riscos elevados para o cumprimento do programa.

O FMI alerta que as futuras decisões do Tribunal Constitucional podem vir comprometer a confiança e o crescimento económico e, admite mesmo que, no caso do Constitucional chumbar algumas das medidas do OE2014, há pouco espaço de manobra para cortar na despesa.