O Governo apresentou a reforma do IRC na reunião com os parceiros sociais. O Secretário Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, espera vir a compensar a descida do imposto sobre as empresas com o aumento de receitas da possível retoma económica.

Numa primeira reação, os patrões consideram a medida positiva mas entendem que carece de análise mais aprofundada.

Isto porque o IRC desce, mas o Estado arrecada menor receita por esta via, que mesmo assim a recuperação económica poderá compensar.

Do lado dos patrões, a CIP já veio dizer que prefere «esperar para ver». Já as outras confederações olham para a medida com bons olhos, desde que conjugada com a reforma de outros impostos.