Teixeira dos Santos, ex-ministro das Finanças, afirmou no programa Bloco Central, da TSF, que o guião para a Reforma do Estado apresentado por Paulo Portas «é um documento muito pobre» que revela «sinal de desnorte».

Aliás, segundo ex-governante, Paulo Portas «não passava e nem sequer ia à oral». Até porque a reforma do Estado «não pode ser tratada com esta ligeireza». Teixeira dos Santos quando olha para o guião tem a sensação de que alguém que foi à «wikipedia buscar umas ideias, fez um corta-e-cola e apresentou o documento».

Mas, o ex-ministro das Finanças também falou sobre o Orçamento de Estado e as previsões do atual Executivo e considera que uma baixa de impostos em 2015 é uma «ilusão» porque o país tem de reduzir o défice, até 2017, a um ritmo de 1,4 por cento ano.

Por fim, acrescentou não ficar surpreendido se os credores internacionais vierem a propor eleições em meados de 2014, em Portugal.