O Fundo Monetário Internacional (FMI) distanciou-se dos comentários do ex-líder da missão do fundo para a Irlanda, que defendia uma redução da austeridade do programa imposto pela troika.

O anterior líder da missão, Ashoka Mody, afirmou em declarações a uma televisão irlandesa que a austeridade é uma orientação política destinada ao fracasso porque não estimula o crescimento económico e a falta de resultados na redução dos níveis de dívida pública.

Ashoka Mody defende também que a Irlanda devia pensar em reduzir o nível de austeridade.

No entanto, o FMI veio esta segunda-feira distanciar-se dos comentários do seu ex-empregado, dizendo que «o senhor Mody saiu do FMI e as suas visões não representam a posição do fundo».

O Governo irlandês, que apresentou esta segunda-feira a estratégia para a recuperação económica da Irlanda, defende na mesma que esta não pode ser só baseada na austeridade e que quando o Governo entrou em funções já havia sido determinado que era obrigatória a existência de uma estratégia para o crescimento e o emprego.