O Fundo Monetário Internacional (FMI) vai reunir-se a 17 de abril para decidir sobre o desembolso do empréstimo correspondente à 11.ª avaliação do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) a Portugal.

De acordo com o calendário do FMI, os membros do "board" (administração) do Fundo vão reunir-se na quinta-feira da próxima semana, estando na agenda a 11.ª avaliação regular ao resgate português, a penúltima do programa, e cuja aprovação vai permitir o respetivo desembolso, de 900 milhões de euros.

Durante esta avaliação, que ainda tem de ser aprovada pela Comissão Europeia e pelo FMI, os credores internacionais defenderam a necessidade de um «aprofundamento» das reformas estruturais, para garantir que a economia portuguesa se orienta para as exportações.

Reconhecendo a «vasta gama de reformas estruturais já adotadas», a troika considerou, num comunicado conjunto emitido em fevereiro, no final da missão em Lisboa, que «há ainda restrições importantes que limitam as empresas portuguesas face à concorrência internacional» e deu o exemplo das rendas excessivas no setor não transacionável e da rigidez no mercado laboral.

No caso do setor elétrico, o Governo comprometeu-se a discutir, na próxima avaliação, «outras opções para equilibrar melhor o peso» do ajustamento no setor, através da eliminação de rendas excessivas.