O presidente do Eurogrupo considerou esta segunda-feira «sensato» usar o tempo disponível para tomar uma decisão final sobre a saída de Portugal do programa, apesar de a Comissão Europeia mostrar uma preferência, à partida, por um programa cautelar.

«Não tenho ainda uma opinião. Ouvi comentários da Comissão, que podem ser entendidos como um conselho, a Portugal e possivelmente ao Eurogrupo, mas penso que é sensato usar o tempo que temos antes de chegarmos a uma conclusão final», afirmou Jeroen Dijsselbloem, na conferência de imprensa após a reunião de hoje dos ministros das Finanças da zona euro, em Bruxelas, quando questionado sobre as posições já assumidas tanto pelo presidente da Comissão, Durão Barroso, como pelo comissário Olli Rehn.

Na passada sexta-feira, o comissário dos Assuntos Económicos, em entrevista ao Wall Street Journal, disse acreditar que «mais vale prevenir do que remediar, e uma linha de crédito cautelar serve precisamente para isso», depois de o próprio José Manuel Durão Barroso ter afirmado, a 13 de janeiro, que, embora seja ainda cedo para uma decisão final, «o programa cautelar com certeza que garante mais confiança, mais segurança», pelo que, «à partida, será a melhor opção», cita a Lusa.