O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, avisou esta quarta-feira que Portugal se arrisca a perder, com a atual crise política desencadeada pela demissão de Paulo Portas, a credibilidade entretanto já conquistada junto dos mercados financeiros.

«Como já é patente pela reação inicial dos mercados, existe risco evidente que os ganhos de credibilidade financeira de Portugal sejam postos em causa pela instabilidade política», avisa numa nota aos jornalistas.

«A acontecer tal, seria especialmente grave para os portugueses, nomeadamente porque se anunciavam já sinais de alguma recuperação económica», adverte.

Num apelo aos protagonistas da crise política, Barroso sublinha ainda que «a situação vulnerável de Portugal exige de todas as forças e líderes políticos um grande sentido de responsabilidade».

O presidente do executivo comunitário acompanha «a crise política em Portugal com extrema preocupação» e espera uma «clarificação da situação política o quanto antes».

«Confiamos que a democracia portuguesa saberá encontrar uma solução que garanta que os sacrifícios dos portugueses feitos até agora não terão sido em vão», conclui.

Também o presidente do Eurogrupo avisou já que a convocação de eleições antecipadas pode colocar em risco a avaliação da troika.