O Governo quer cortar dois mil milhões de euros na despesa do próximo ano, um valor que fica muito abaixo do inicialmente acordado com a troika, avança o «Expresso».

Note-se que a meta proposta no Documento de Estratégia Orçamental era de 3,6 mil milhões de euros. No documento enviado à troika, o Governo dividia os cortes para o próximo ano assim: 740 milhões na convergência do sistema de pensões, 240 com o aumento da idade da reforma, mil milhões de euros com rescisões e aproximação das leis laborais entre os setores público e privado. A somar a isto estavam ainda previstos cortes em vários ministérios, no valor de 1,100 milhões de euros.

O jornal avança que no próximo conselho de ministros Paulo Portas deverá receber já as primeiras propostas, ministério a ministério.

O Executivo acredita que as receitas de 2014 poderão ser suficientes para evitar uma maior austeridade.