A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, expressou este domingo «profundas condolências» pela morte do economista António Borges, de 63 anos.

«É com grande tristeza que soubemos do falecimento de António Borges, que foi diretor do departamento Europeu do FMI entre 2010 e 2011», lê-se no comunicado assinado por Christine Lagarde, emitido por aquele organismo e citado pela Lusa.

«Em nome de todos, no FMI, gostaria de apresentar as nossas mais profundas condolências à família e de António [Borges] e a todos os seus muitos colegas e amigos em Portugal e em todo o mundo», afirma Lagarde.

Morreu António Borges

O consultor do Governo para as privatizações, o economista António Borges morreu este domingo de manhã, em Lisboa, aos 63 anos. António Borges sofria de cancro no pâncreas desde 2010, altura em que trabalhava no FMI.

António Borges liderava, a pedido do primeiro-ministro, Pedro passos Coelho, uma equipa para acompanhar junto da troika os processos de privatização, as renegociações das parcerias publico- privadas, a reestruturação do setor empresarial do Estado e da banca.

O corpo de António Borges é velado este domingo na Basílica da Estrela, em Lisboa, onde segunda-feira será celebrada missa de corpo presente, às 11:00, seguindo-se o funeral, disse à Lusa fonte do Partido Social-Democrata.