O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, pediu esta sexta-feira um consenso político alargado e «sentido de responsabilidade» que garanta uma trajetória de sustentabilidade no período pós-troika.

«Temos possibilidade de ter uma trajetória de sustentabilidade, assim o queiramos e assim consigamos construir um consenso em torno desta trajetória», disse Carlos Costa num encontro de economistas com o Presidente da República, Cavaco Silva, em Belém.

Para o governador do BdP, é assim necessário que Portugal garanta condições internas e externas.

«Não esperem por condições externas se as internas não tiverem sido criadas. As condições externas não podem chegar antes que tenhamos criado três grandes consensos: uma coesão social, um consenso entre parceiros sociais e um consenso alargado entre agentes políticos», afirmou.