O Banco Central Europeu (BCE) mudou as suas regras sobre as exigências de colaterais pedidas para o financiamento dos bancos junto da entidade, de forma a dinamizar o acesso ao crédito por parte das pequenas e médias empresas (PME).

A entidade liderada por Mario Draghi reduziu o prémio de risco aplicado às carteiras de dívida titularizada de 16% para 10%, conforme avançou a agência de informação financeira Bloomberg, citando uma mensagem eletrónica do BCE datada desta quinta-feira.

Na prática, isto significa que os bancos conseguem obter montantes de financiamento mais elevados em troca da entrega ao banco central de uma carteira de créditos, que serve de colateral, ou garantia, pelo empréstimo.

Esta alteração no prémio de risco representa um esforço dos responsáveis do BCE de promover a diversificação das fontes de financiamento das empresas da Zona Euro.

O crédito bancário representa 80% do volume total de financiamento concedido na Zona Euro às empresas, enquanto Estados Unidos da América (EUA), este valor baixa para apenas 20%.

O BCE vai «continuar a investigar como catalisar as recentes iniciativas das instituições europeias para melhorar as condições de financiamento» das PME, lê-se, segundo a Bloomberg, na mensagem eletrónica da entidade.