A Ryanair anunciou, esta quinta-feira, o acordo com o sindicato dos pilotos na Irlanda, o Forsa. Um passo que poderá resolver o conflito laboral que resultou em vários dias de greve dos pilotos no país.

Numa publicação no Twitter, a companhia aérea de baixo custo acrescentou ainda que as propostas patentes neste acordo serão agora levadas à administração da Ryanair. Até ao desfecho do processo, as partes comprometeram-se ao silêncio, a pedido do mediador Kieran Mulvey.

A última paralisação dos pilotos irlandeses, que se estendeu às operações da Suécia e Bélgica, ocorreu no passado dia 10, durante 24 horas.

Os sindicatos de pilotos avançaram para a paralisação numa tentativa de pressionarem a administração a aumentar os salários e a melhorar as condições de trabalho.

Entretanto, os sindicatos europeus dos tripulantes de bordo da companhia vão reunir-se em 7 de setembro, em Roma, estando confirmada a presença de representantes das organizações de Portugal, Espanha, Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda e Irlanda.

Também esta quinta-feira a empresa tinha lançado outra mensagem no Twitter em que pedia desculpas pelo fato de a falta de tripulação ter causado atrasos em 67 (15%) dos 440 voos desta manhã, em França, Alemanha e Portugal. A Ryanair assegura  que estão a fazer tudo para minimizar o impacto causado na vida dos passageiros, que terão siso avisados por mensagem escrita de telemóvel (SMS) e email.