A nova Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) que está a ser aplicada desde abril apresenta caraterísticas semelhantes aos argumentos usados pelo Tribunal Constitucional para chumbar os cortes nos salários da função pública, escreve o Diário Económico.

Tal como no caso dos salários, a medida foi alargada a um universo maior de pessoas e o corte foi intensificado, face ao que era previsto na primeira versão da medida.

Depois de já ter chumbado 3 normas do Orçamento do Estado para este ano, os juízes do Palácio Ratton ainda têm em mãos o novo desenho da CES, o que implica uma poupança de cerca de 300 milhões de euros aos cofres públicos.

A medida está a ser avaliada num acórdão à parte, e foi exatamente a recalibragem dos cortes salariais que ditou o seu chumbo.