“Esta é a resposta às medidas prepotentes e arbitrárias da atual administração destas duas empresas, que recusa negociar as condições de trabalho e procede a aumentos de salários de quadros superiores em valores que atingiram 2 500 euros por mês”, lê-se no comunicado da FECTRANS.