O Governo anunciou esta quinta-feira que anulou a passagem da gestão dos transportes públicos para as mãos de empresas privadas. A decisão foi tomada no conselho de ministros e anunciada pelo ministro do Ambiente, José Matos Fernandes, que sublinhou que esta reversão não terá custos para os cofres do Estado.


"A nossa expetativa é que não terá de haver qualquer indemnização", afirmou o ministro na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros.


Ainda assim, sublinha, a caução que foi paga pelas empresas vencedoras dos concursos será devolvida.

O grupo espanhol Avanza foi a escolha do executivo de Passos Coelho para a subconcessão da Carris e Metro de Lisboa, em Junho.

A Transportes de Lisboa tinha recebido   cinco propostas de interessados  na subconcessão da Metro e Carris. Três das propostas apresentadas eram para a gestão, em simultâneo, das duas empresas.

Ainda esta quinta-feira o Executivo de António Costa nomeou Tiago Lopes Farias para a presidência do Conselho de Administração da Transportes de Lisboa.

A nova administração conta ainda com os vogais Luís Barroso, António Pires, José Realinho de Matos e Maria Helena Campos.