Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) decidiram esta sexta-feira avançar para uma greve de uma semana ao trabalho extraordinário e efetuar uma greve de 24 horas no dia 02 de abril, disse à Lusa fonte sindical.

Os trabalhadores da TST estão hoje a cumprir uma paralisação de 24 horas, que começou às 03:00 e efetuaram um plenário na sede da empresa, no Laranjeiro, para discutir a caducidade do acordo de empresa (AE) e novas formas de luta por aumentos salariais.

«Os trabalhadores vão fazer uma greve de uma semana, entre 01 e 08 de abril, ao trabalho extraordinário, e no dia 02 de abril vão efetuar uma greve de 24 horas junto à Autoridade para as Condições de Trabalho [ACT] de Almada», disse João Saúde, do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP).

O sindicalista explicou que no plenário do dia 02 de abril os trabalhadores vão decidir novas formas de luta e anunciou que vai ser entregue na ACT «uma denúncia sobre o que se passa nos TST».

Em relação à adesão à greve de hoje, João Saúde afirmou que ronda os 92%.

A administração dos TST apresenta números diferentes, referindo quer a adesão se situa nos 41%.

«As conclusões do plenário de hoje ainda não foram formalmente apresentadas à administração da TST, razão pela qual é prematuro tecer comentários. A TST vai adotar as medidas possíveis e necessárias para minorar o impacto da greve junto das populações», refere fonte oficial da empresa à Lusa.