Os consórcios privados que solicitaram indemnização ao Estado pelo cancelamento dos concursos para a construção e exploração do projeto de alta velocidade ferroviária só deverão receber cerca de 20% do total reclamado, escreve o Diário Económico.

A Inspeção Geral de Finanças, no seu relatório de atividade, só valida o pagamento de cerca de 28,5 milhões de euros de um total de 180,7 milhões em indemnizações ainda pendentes e em análise em tribunal arbitral.

Ainda assim, o Estado só pagou até agora 16,7 milhões de euros de indemnizações pela suspensão dos concursos de TGV.

O consórcio Ellos, liderado pela Soares da Costa e pela Brisa, reclamava 168,8 milhões ao Estado, sendo que a IGF validou o pagamento de 22,9 milhões. Na reclamação da Tave Tejo (dos espanhóis da FCC) a IGF pagou 11,9 milhões, 47% do montante reclamado. A Atavia exigia uma indemnização de cerca de 12,8 milhões de euros, mas só foram pagos 7,2 milhões.