O presidente da Federação Portuguesa do Táxi (FPT) acusou o Governo de “pouca vontade política para aplicar a lei” que regula o setor e combate o transporte ilegal de passageiros, após ter reunido com o ministro do Ambiente.

“As culpas estão no Governo”, afirmou o presidente da FPT, Carlos Ramos, dividindo as responsabilidades pelo incumprimento da lei entre o Ministério do Ambiente, que tutela os transportes, e o Ministério da Administração Interna, responsável pela execução das políticas de segurança pública.

De acordo com Carlos Ramos, o Ministério da Administração Interna diz que não consegue cumprir a lei, porque ainda não tem os instrumentos necessários para o fazer, que têm que ser disponibilizados pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), através do Ministério do Ambiente.

É meio Governo a dizer que não cumpre, porque o outro meio Governo não lhe dá condições para o fazer”, declarou o representante dos taxistas.

A reunião desta quarta-feira com o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, “foi simpática, foi boa, foi diferente das anteriores, foi pacífica” e centrou-se na questão da aplicação da lei que regula o setor do táxi, indicou Carlos Ramos.

No âmbito da reunião, o dirigente da Federação do Táxi pediu ao ministro João Matos Fernandes para que “os serviços que estão sob alçada do Ministério [do Ambiente] façam cumprir a lei da República”, advogando que “foi essa a vontade do parlamento”.