Segundo contas do sindicato dos Transportes, os cadernos de encargos da subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris vão permitir o despedimento de pelo menos 600 trabalhadores, revela a Antena1.

E o Estado pode vir a ter de pagar 230 milhões de euros por ano aos vencedores dos concursos. O sindicalista Sérgio Monte diz que a garantia do Governo em como não haveria despedimento coletivo já não está "em cima da mesa".

Para a subconcessão do Metro de Lisboa e da Carris, o Governo lançou dois concursos em separado que pretende encerrar ainda antes das eleições legislativas. 

Os trabalhadores de ambas as empresas estão contra o processo e já têm agendadas várias ações de protesto. Os trabalhadores do metro fazem greve esta quinta-feira, dia 14 de maio, enquanto os trabalhadores da Carris marcaram uma paralisação para 19 de maio.