Os trabalhadores da Soflusa, empresa responsável pelas ligações fluviais entre o Barreiro e o Terreiro do Paço, em Lisboa, terminam esta quarta-feiratrês dias de greve parcial e vão realizar um plenário para decidir o que será feito no futuro.

"Fazemos um balanço positivo da greve. Ao nível operacional, nos seis períodos que a greve parcial afetou, registou-se uma adesão entre os 70 e os 75%", disse à Lusa Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marina Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

Os trabalhadores da Soflusa iniciaram na segunda-feira uma greve parcial de três dias, três horas por turno, que termina hoje e que afetou as ligações fluviais entre as duas margens do Tejo, em especial, nos períodos das horas de ponta da manhã e da tarde.

O sindicalista explicou que os trabalhadores da Soflusa, que exigem uma revisão da massa salarial, vão agora realizar um plenário para decidir o que será feito no futuro.

"Vamos enviar novo pedido de reunião à empresa e transmitir de novo as nossas propostas, para tentar chegar um entendimento. Depois vamos realizar um plenário de trabalhadores, com paralisação de atividade, para que os trabalhadores decidam o que fazer no futuro, estando tudo em aberto", afirmou.

Fonte oficial da Soflusa disse à Lusa que as ligações fluviais devem ser retomadas em pleno cerca das 21:30, referindo que estão a ser efetuadas carreiras extra durante o período de greve previsto.

"No dia de hoje foi registado um nível de adesão à greve de 50%. Este valor resulta de uma taxa de adesão de 56% no total do período noite/manhã e de uma taxa de 47% no período da tarde", concluiu.