A adesão dos trabalhadores à greve do Metropolitano de Lisboa ronda os 100%, encontrando-se as portas das estações encerradas desde as 23:15 de domingo, disse à agência Lusa a sindicalista Anabela Carvalheira.

«A adesão ronda os 100%. Por enquanto, está tudo de acordo com o que era expetável. Os trabalhadores estão a aderir massivamente e não há comboios a circular», disse Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, adiantando que as estações estão encerradas desde domingo à noite.

O Metropolitano de Lisboa encerrou às 23:15 de domingo, mantendo-se a circulação suspensa até às 06:30 de terça-feira devido à greve dos trabalhadores em defesa do serviço público da empresa.

A paralisação é a oitava realizada pelos trabalhadores do metro em 2014, considerando greves totais e greves parciais.
Devido à greve, a rodoviária Carris vai reforçar o número de autocarros nos trajetos servidos pelas carreiras 726 (Sapadores-Pontinha), 736 (Cais do Sodré-Odivelas), 744 (Marquês de Pombal-Moscavide) e 746 (Marquês de Pombal-Estação da Damaia), que coincidem com eixos servidos pelo metro, acrescentou o Metropolitano, em comunicado.

A greve foi convocada por várias organizações sindicais, nomeadamente a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.