O primeiro-ministro Passos Coelho travou as pretensões da Câmara de Lisboa de vir a celebrar com o Estado um contrato de parceria pública para a gestão da Carris e do Metro de Lisboa, revela o Jornal de Negócios.

A proposta apresentada pela autarquia foi bem recebida pelo gabinete de Pires de Lima, assim como do secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro. A proposta foi encarada como sendo uma solução para questões levantadas, por exemplo, pelos sindicatos.

O acordo entre a autarquia e o Executivo parecia praticamente acertado. No entanto, concluídos os trabalhos técnicos, a parceria proposta pela câmara foi travada pelo primeiro-ministro.

A iniciativa chocou, do ponto de vista ideológico, com os princípios do PM, para quem determinadas áreas da economia devem ficar fora da esfera pública. Até agora o Governo não assumiu se aceita ou recusa a proposta da autarquia.