Numa altura em que um em cada três jovens está no desemprego, um estudo conclui que a melhor estratégia passa por uma crescente ligação entre as instituições de ensino e o mercado de trabalho. Mas mais: os jovens terão de diversificar as suas experiências para enriquecer o currículo e se tornarem «apetecíveis» para as empresas.

Mais de 400 jovens participaram nessa investigação, bem como 10 instituições do ensino superior e profissional e 84 empresas. As principais conclusões mostram que existe um desalinhamento entre a autoavaliação que os jovens fazem das suas competências. 
 
Hoje, o que as empresas procuram nos candidatos é muito diferente do que procuravam, por exemplo, há dez anos. Se os empregadores valorizam a responsabilidade, a disponibilidade para aprender, a iniciativa, motivação e trabalho em equipa, do outro temos a chamada «Geração Millenium».

O desemprego jovem ultrapassa os 35 por cento e há com certeza muitos jovens que querem ficar a par de soluções concretas para reverter essa situação. Este estudo aponta quais. Entre elas, estabelecer pontes entre universidade as empresas ou diversificar as experiências extra curriculares, como fazer voluntariado, acumular experiências profissionais paralelas ao percurso académico ou frequentar cursos lá fora.

Tudo isso valoriza o currículo e faz toda a diferença para quem recruta. Pode, mesmo, abrir portas no mercado de trabalho.