Os patrões podem ler qualquer mensagem trocada pelos funcionários nas redes sociais durante o período laboral, mesmo as mensagens privadas.

A decisão que pode fazer jurisprudência é do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, e surgiu depois de um processo de um trabalhador romeno que foi despedido na sequência do seu empregador ter visto as suas mensagens privadas em chats da Yahoo.

Na decisão judicial, citada pelo The Telegraph, o tribunal considera que é razoável que um empregador queira assegurar-se que os trabalhadores cumprem as tarefas laborais durante as horas de trabalho.

O patrão tinha pedido a Bogdan Mihai Barbulescu para criar uma conta no Yahoo Messenger para responder às questões dos clientes, no âmbito do seu trabalho como chefe de vendas.

Entretanto foi informado que os seus chats tinham sido monitorizados e que tinha violado regras da empresa ao usar o serviço para mensagens do foro pessoal.

No processo que apresentou em tribunal o funcionário argumentava que o patrão decidiu despedi-lo com base numa violação da lei da privacidade.